quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Palestra não-operados do Instituto Garrido

Nessa terça-feira, 29.11, fui à palestra obrigatória dos não operados do Instituto Garrido no Hospital Oswaldo Cruz. A palestra é ministrada pelo próprio Dr Garrido. Em consulta, ele só atende particular. Como já contei, passei por outro médico, o Dr Renato.
Garrido é um médico bem conceituado e, segundo informações e ele mesmo, ensinou outros médicos do Brasil no "início" da bariátrica por aqui. Como da técnica Fobi Capella que ele aprendeu com o próprio Capella. Aliás, lá eu aprendi que essa técnica é o bypass com anel, exclusivamente. Sem o anel, a técnica não pode ser chamada assim. A propósito, diz que hoje em dia nem se coloca mais esse anel pois é muito sofrimento para pouca aficácia.
Infelizmente, só pode levar um acompanhante. Achei isso muito ruim, acho que duas pessoas estaria ok. Quanto mais o nosso núcleo familiar conhecer sobre o procedimento, melhor. Enfim levei meu marido (que estranho! rs). E o pior, o auditório deve ter ficado com quase 50% vazio.
Mas traumático mesmo, foi essa poltrona: eu não cabia!! Foi muito difícil entrar e ficou machucando, fincando na perna, um horror! Todos os gordinhos estavam sofrendo. Até o próprio médico falou disso. Será que não existe outro?
Bom, começou pontualmente e eu achei muito boa. Bem melhor que a palestra do RR Médicos, estou pensando em até desmarcar a consulta lá. Gostei pois ele foi bem minucioso e falava calmamente. E, mesmo que muitas das informações sejam simples, achei educado que ele se preocupasse com que todos estivessem acompanhando, perguntando sempre: 'entenderam?'.
Não dá para escrever tudo, é muita informação. Mas vou me esforçar e tentar transmitir alguns pontos:
- grande porcentagem da população obesa ou operada desenvolve pedra na vesícula, mas não é viável já aproveitar de uma vez e tirar a vesícula no momento da operação se não há pedras. Pois estaria sendo retirado de uma população que nem chegará a desenvolve-las. Se a pessoa possui, o cirurgião pode decidir no momento da cirurgia bariátrica por videolaparoscopia de acordo com a fisiologia do paciente. Se há fácil acesso ou não.
- Eles já estão fazendo a cirurgia robótica, aquela que o cirurgião fica no canto da sala operando através do robô. A precisão é bem maior, mas é muito mais caro é usada apenas na minoria dos casos. Fiquei sem saber qual o critério para o uso. Tentarei lembrar de perguntar em uma consulta.
- A importância de estar com os dentes em perfeita ordem antes da cirurgia. Para que depois o paciente não opte por alimentos pouco ou nada nutricionais por serem mais moles ou menos fibrosos. Dispensando, por exemplo, a carne, tão importante para os gastroplastizados.
- O estomago do obeso não é maior do que o das outras pessoas!
- Perguntei a ele se existe algum estudo, pesquisa ou estudo clínico de uma pessoa que precisou daquele pedaço do estomago retirado no sleeve. Infelizmente, não devo ter me feito clara e ele não entendeu minha pergunta. Respondeu como se eu tivesse perguntado sobre a possibilidade de reversão da cirurgia. No sleeve não é possível. No bypass existiram casos de pessoas que estavam com cancer e por isso, muito debilitadas, precisando do estomago para tentarem comer o máximo que tivessem vontade e para os tratamentos radiológicos. Vendo que o Garrido tinha compreendido minha pergunta de outra forma, o moço do lado tentou me explicar (?), mas eu fiquei tão surpresa com a atitude dele que não consegui entender muito.
- Insistiu que a vantagem da videolaparoscopia é apenas na recuperação, nada de estética. Mostrou fotos de abdominoplastia em âncora que, segundo ele, a grande maioria precisa fazer. Mostrou fotos também de emagrecidos com aquele grande excesso de pele (fiquei triste e com um pouco de vergonha do marido de ele pensar (ou saber) que aquela também sou eu), e perguntou, o que é esse risquinho em meio a isso tudo? ...
- Meninas, essa me deixou passada: comer deitado não dá dumping!! Isso mesmo. Se você se empanturrar de doce deitada, não tem dumping. As pessoas reclamaram de ele ter contado esse macete. Mas segundo o médico, todos acabam descobrindo uma hora. Não que eu pretenda me entupir de doces, mas gostei de saber pois me sinto com um pouco mais de controle sobre meu futuro corpo.
- O Sleeve é uma técnica recente e por isso não há tantos estudos sobre ele. Disse que muitas técnicas se mostram um desastre depois de 4, 5 anos que começam a ser usadas. Tudo indica que ela veio para ficar, mas ainda assim, sem tantos estudos.
- Quem não come carne vermelha, não deve escolher o bypass. Eu não gosto muito de carne vermelha, mas estou tentando aprender a gostar e me acostumar.
- A quantidade de intestino que sobra para a comida passar no bypass é suficiente para absorver vitaminas. Mas naquele pedaço em que a comida passa a não ir, é o rincipal ponto de absorção de algumas vitaminas como o ferro. Por isso, é uma m$#&%%# ser mulher e sangrar todo mês.
- Se o paciente não está disposto a ingerir o máximo de 4 doses de álcool por semana, melhor nem fazer a cirurgia. Nenhuma técnica. Vai voltar a engordar. =( Não me recriminem, mas consumo bem (bem) mais que isso. Deixar esse hábito será uma das minhas grandes dificuldades. Será que consigo?
- Médias: Sleeve - perda de 1/4 do peso; Bypass - perda de 1/3 do peso.
- O médico só não coloca o dreno se a operação foi tão mega perfeita que ele acha que não vai precisar. Mas aí tem que ficar de olho. Qualquer coisa, opera de novo.
- O sucesso do bypass se deve a 3 fatores principais (resumidamente): diminuição do hormônio da fome, o caminho fica mais rápido ao final do intestino e ativa antes o hormônio da saciedade (GLP1) e pelo dumping.
- Os riscos cirurgicos. Como o da temidíssima embolia pulmonar em que, devido o pouco movimento especialmente das pernas, pode provocar um coágulo (trombo) do sangue e entupir a artéria, impedindo o sangue com oxigênio que precisa chegar ao pulmão, por exemplo. E nesse exemplo, é morte instantanea. Por isso, tão importante o uso daquela meia cirurgica com os mecanismos que inflam/desinflam fazendo massagem nas pernas e ir andar logo ao se recuperar da cirurgia. Além disso, eles dão anti coagulantes também, mas em uma quantidade menor da que pode causar hemorragia.

- Fiquei preocupada com duas coisas que ele falou diferente do médico do próprio Instituto: modo de fazer a endoscopia depois do bypass e que a grelina para de produzir o hormônio nesse procedimento.
- Gente, e as estatísticas?
Em 1800 cirurgias, 6 morrem por vazamentos no neo estomago e 2 por problemas pulmonares.
A equipe do Instituto Garrido faz por volta de 1000 operações por ano. Dessas, DOIS pacientes morrem.
Essa estatística me assustou muito.
Estava tudo indo bem e eu estava animada para a cirurgia. No final, ele:
Nem tudo são flores, trouxe vocês aqui para estarem cientes de duas coisa antes de fazer a cirurgia: que estarão assumindo o risco de morrer, e que precisarão de acompanhamento médico pro resto da vida. (...) Foi nessa hora que caí novamente no meu abismo de incertezas e medos. Pra mim, essa é a pior coisa da idéia da cirurgia. Tornar-me dependente de algo externo a mim: vitaminas e acompanhamento médico. Gente, eu posso ficar miserável e não ter um tostão pra fazer exame de sangue, ir ao médico. Eu posso cair de avião em uma selva. Não sei, pra mim é variável demais pra depender pra sobreviver.  = (

11 comentários:

naty disse...

Essa informação do dumping pra mim é novidade tb, legal essa palestra bem esclarecedora. Menina vc vai precisar de acompanhamento a vida toda mas com o tempo torna mais longo o espaço de tempo, no começo que é uma atras da outra.
bjos

Fabi Godart disse...

As palestras são ótimas! Aprendi muita coisa na minha e muitas com o que voce passou aí da sua. Mas tenta ficar tranquila em relação as estátisticas, vai da tudo certo. E de depender a vida inteira de médicos, não é bem assim, depois de um tempo é só uma vez por ano. E é só pra ver se ta tudo bem, igual ginecologista, se passar da data vez ou outra não será o fim. Claro que da uns medões, mas tem tambem os benefícios e é assim pra tudo. Relaxa garotinha! Daqui uns dias voce vai lá me dizer isso tambem, rs! Bjocas!!!

Valquíria disse...

"Pra mim, essa é a pior coisa da idéia da cirurgia. Tornar-me dependente de algo externo a mim: vitaminas e acompanhamento médico."

Pensava exatamente igual a vc, as mesmas preocupações e foi por isso que escolhi o sleeve gástrico, que dispensa vitaminas e acompanhamento médico constante.

Sobre a parte do estomago retirada fiz a mesma pergunta ao Dr. Marcelo. Mas Dr. e se a pessoa ter algum problema de saúde e precisar de novo daquele resto do estomago, como é que faz?Ele disse que existem casos de pessoas que nunca operaram o estomago, porém desenvolvem o cancer e precisa retirar completamente o estomago, ele disse que ja fez muitas operações como essa (remoção total do estomago) é só fazer um ligamento direto do esofago ao intestino, fiquei assustada na hora mas ele disse que essas pessoas vivem normalmente como as outras, que o estomago é apenas um deposito de comida.

E não ser reversivel é uma coisa que me agrada afinal depois de ficar magrinha quem é que quer ficar gorda de novo?Aumentar o estomago de novo?Nem a pau juvenal!rs

Flor, espero mesmo ter ajudado

Val sleevada

http://conquistandoopesoideal.blogspot.com

Graziane Raquel disse...

Oie,
Passando para dizer que estou feliz em ter vc no meu blog.
Estou te seguindo.
Beijos

Rachel disse...

Tenho medo dessa dependência pós cirurgia tb!!! Odeio depender de algo externo e realmente, nunca sabemos o dia de amanhã. Por isso estou indecisa em conhecer melhor. Fora grana para plãstica... Sempre penso nisso! Mas eu acho q vc deve analisar sua situação de forma bastante individualizada. Reflita muuuuuito antes de decidir qualquer coisa. Bj

Kelly disse...

Estatísticas existem de todo lado, se formos ver as estatísticas de quantos obesos morrem por ano também vamos ficar assustadas...Gostei das informações que vc postou. obrigada bj

Rachel disse...

Vamos conversar sim. Anota aí rachelrenovada@hotmail.com

Estou na rua, mas li seu comentário. Me escreve, vamos ficar unidas nessa siiim! Bjsss

Fernando Martins disse...

Olá!!!
Olha, lendo tudo sobre o Garrido, ele pode ser um excelente profissional, mas parece ser bem grosseiro no modo de falar.
As palestras que assisti aqui, o Dr. Arruda (www.sergioarruda.com.br) falou tudo o q ele falou de uma maneira mega didatica, sem assustar ninguem porem deixando todos conscientes.

Abs

Fernando
http://feliznovavida.blogspot.com

Pityya disse...

Olá
Sou Mariza Taba
Procurando alguma coisa , sobre cirugia bariátrica encontrei esse blog
Fiquei muito feliz,

Pityya disse...

Estou fazendo consulta no instituto Sallet,para fazer cirugia .Hoje resolvi marcar uma consulta
No instituto Garrido. Minha conhecida fez nesse instituto e ficou muito feliz . Pelo que li no blog
Esse instituto é mais humano que o outro em que estou ind

Pityya disse...

Em que estou indo
Farei uma conduta no instituto garrido no dia 10/8/2016
Depois voltarei a escrever abraços mariza

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...